A GRANDE TRIBULAÇÃO


  • Sangue sobre a Terra
  • Não ficará pedra sobre pedra
  • Profecias sobre o fim dos tempos
  • A Palavra de Deus será pregada em todo mundo antes do fim
  • A última semana de anos da profecia do profeta Daniel



Entres eles surgiu também uma discussão sobre quem deveria considerar-se o maior.
Jesus disse-lhes: "Os reis das nações imperam sobre elas e os que nelas exercem a autoridade são chamados benfeitores.
Porém não há de ser assim entre vós. O que entre vós é o maior, faça-se como o menor; e o que governa como o que serve.
Pois qual é o maior: o que está sentado à mesa ou o que serve? Não é aquele que está sentado à mesa? Todavia, eu estou no meio de vós, como aquele que serve.
E vós tendes permanecido comigo nas minhas provações;
por isso, eu preparo para vós um Reino, como para mim o preparou Meu Pai,
a fim de que venhais a comer e a beber na minha mesa, no Meu Reino, e vos assenteis em tronos para julgardes as doze tribos de Israel."
“Simão, Simão, eis que Satanás vos procurou para vos peneirar como o trigo.
Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos.”
Pedro disse-lhe: "Senhor, estou pronto a ir contigo tanto para a prisão como para a morte."
Jesus respondeu-lhe: "Digo-te Pedro, não cantará hoje o galo, até que três vezes hajas negado que me conheces."
E disse-lhes: "Quando vos mandei sem bolsa, sem alforje ou sandálias, faltou-vos, porventura, alguma coisa?" Eles responderam: "Nada."
E ele acrescentou: "Mas agora quem tem uma bolsa que a tome, assim como o alforje, e quem não tem espada, venda a capa e compre uma.
Porquanto vos digo que importa que em mim se cumpra aquilo que está escrito: E com os malfeitores foi contado. Porque o que está escrito de mim terá cumprimento."
Eles responderam: "Senhor, eis aqui duas espadas." Jesus disse-lhes: "Basta."
Conforme o seu costume, Jesus saiu dali e dirigiu-se para o Monte das Oliveiras, seguido dos seus discípulos.
E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: “Orai para que não entreis em tentação.”
E afastou-se deles à distância de um tiro de pedra. E, posto de joelhos, orava,
dizendo: “Pai, se queres, afasta de mim este cálice! Porém, seja feita não a minha vontade, mas a tua.”
Então lhe apareceu um anjo do céu, que o confortava.
E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor fez-se como de gotas de sangue, a correr sobre a Terra.
E, levantando-se da oração, foi ter com os seus discípulos e achou-os dormindo de tristeza.
E disse-lhes: “Por que estais dormindo? Levantai-vos, e orai para que não entreis em tentação.”

(Lucas 22:24-46)


Estando ele ainda falando, eis que chega Judas, um dos doze, e com ele uma grande multidão com espadas e paus, enviada pelos príncipes dos sacerdotes e pelos anciãos do povo.
O traidor combinara com eles este sinal: "Aquele que eu beijar, é ele. Prendei-o!"
Judas logo se aproximou de Jesus e disse: "Salve, Mestre." E o beijou.
Disse-lhe Jesus: "Amigo, para o que vieste?" Então, adiantando-se todos, lançaram mãos de Jesus e o prenderam.
E eis que um dos que estavam com Jesus, estendendo a mão, puxou da espada e, ferindo o servo do sumo sacerdote, cortou-lhe uma orelha.
Então, Jesus disse-lhe: “Mete no lugar a tua espada, porque todos os que lançarem mão da espada à espada morrerão.”
Por acaso julgas que não posso pedir a Meu Pai, e ele me enviaria, no mesmo instante, mais de doze legiões de anjos?
Como se poderão então cumprir as Escrituras, que declaram que assim deve suceder?"
Voltando-se depois para a multidão, disse: "Viestes prender-me com espadas e paus como se eu fosse um malfeitor. Entretanto, todos os dias estava eu sentado entre vós ensinando no Templo e não me prendestes.
Porém tudo isso aconteceu para se cumprir o que os profetas escreveram." Então todos os discípulos, abandonando Jesus, fugiram.

(Marcos 14:47-56)


Conduziram Jesus à casa do sumo sacerdote, onde se reuniram todos os sacerdotes, escribas e anciãos.
Pedro, porém, seguia-o de longe: entrou no palácio do sumo sacerdote e aí sentou-se entre os servos para aquecer-se junto ao fogo.
No entanto, os grandes sacerdotes e todo o Sinédrio procuravam alguma prova contra Jesus, para o entregarem à morte, mas não a encontravam.
Porque muitos davam falso testemunho contra ele, mas não eram concordes tais testemunhos.
Por fim, levantaram-se alguns, que falsamente atestavam contra ele, dizendo:
“Nós o ouvimos dizer: Eu destruirei esse Templo feito por mãos de homem, e em três dias edificarei outro que não será feito por mãos de homem.”
Contudo, nem mesmo nisso as afirmações deles concordavam.
Então o sumo sacerdote ergueu-se no meio da assembléia e interrogou Jesus: “Não respondes nada ao que estes depõem contra ti?”
Mas ele continuava em silêncio e nada respondia. O sumo sacerdote voltou a interrogá-lo: “És tu o Messias, Filho do Deus Bendito?”
E Jesus disse-lhe: “Eu o sou, e vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu.”
Então o sumo sacerdote, rasgando as próprias vestes, bradou: “Por que ainda desejamos testemunhas?
Acabais de ouvir a blasfêmia? Que vos parece?" E todos o condenaram como réu de morte.
E alguns começaram a cuspir nele, e a cobrir-lhe o rosto, e a dar-lhe punhadas, e a dizer-lhe: “Profetiza.” E os servidores davam lhe bofetadas.

(Marcos 14:53-65)


E, quando Jesus ia saindo do Templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do Templo.
Mas ele, respondendo, disse-lhes: "Vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada."

E indo ele assentar-se no monte das Oliveiras, achegaram-se os discípulos e, estando a sós com ele, perguntaram-lhe: "Quando acontecerá isto? E qual será o sinal de tua volta e do fim do mundo?"
E Jesus, respondendo, disse-lhes: "Acautelai-vos, que ninguém vos engane,
porque muitos virão em meu NOME, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos."

(Mateus 24:1-5)


... e o NOME pelo qual se chama é a PALAVRA DE DEUS.

(Apocalipse 19:13b)


Porque ouvireis falar de guerras e de rumores de guerra. Olhai, não vos turbeis; porque importa que estas coisas aconteçam, mas ainda não é o fim.
Porque se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, pestilências e terremotos em diversos lugares.
Tudo isso, porém, é apenas o início das dores.
Então sereis entregues aos tormentos, matar-vos-ão e sereis por minha causa objeto de ódio para todas as nações.
Nesse tempo, muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se aborrecerão.

(Mateus 24:6-10)


E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça.
E estava grávida e com dores de parto e gritava com ânsias de dar à luz.
E viu-se outro sinal no céu, e eis que era um grande dragão vermelho, que tinha sete cabeças e dez chifres e, sobre as cabeças, sete diademas.
E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu e lançou-as sobre a Terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar a luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o Filho.
E deu à luz um Filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu Filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.

(Apocalipse 12:1-5)


E surgirão muitos falsos profetas e enganarão a muitos.
E por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.
Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.
E este Evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim.

(Mateus 24:11-14)


E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.

(Apocalipse 12:6)


E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco.
Estas são as duas oliveiras e os dois castiçais que estão diante do Deus da Terra.

(Apocalipse 11:3-4)


1260 dias = 3 anos e meio
1 + 2 + 6 + 0 = 9
(M.Freire)




Setenta semanas de anos foram decretadas sobre o teu povo e sobre a tua Cidade Santa a fim de que as prevaricações se consumassem, o pecado tenha o seu fim, a iniquidade se apague, a justiça eterna seja trazida, as visões e profecias se cumpram e o Santo dos Santos seja ungido.
Sabe e entende; desde a saída da ordem para restaurar e para edificar Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, sete semanas e sessenta e duas semanas; as ruas e as tranqueiras se reedificarão, mas em tempos angustiosos.
Depois das sessenta e duas semanas, será morto o Cristo, e o povo que o há de negar, não será mais seu; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações.
Com muitos ele fará uma Aliança que durará uma semana; e, na metade da semana, fará cessar o sacrifício e a oferta de manjares; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador.”

(Daniel 9:24-27)


1 semana de anos = 7 anos
Metade de uma semana de anos = 3 anos e meio

(M.Freire)


E foi-me dada uma cana semelhante a uma vara; e chegou o anjo e disse: "Levanta-te e mede o Templo de Deus; e o altar, e os que nele adoram.
E deixa o átrio que está fora do Templo e não o meças; porque foi dado às nações, e pisarão a Cidade Santa por quarenta e dois meses."

(Apocalipse 11:1-2)


42 = 3 anos e meio
4 + 2 = 6
(M. Freire)




Quando pois virdes estabelecer-se no lugar Santo a desoladora abominação predita pelo profeta Daniel, - quem lê, entenda!
Então, os que estiverem na Judéia, que fujam para os montes.
O que se acha sobre o terraço, não desça para tomar coisa alguma de sua casa.
E aquele que está no campo não volte para buscar suas vestimentas.
Mas, ai das que estiverem grávidas e amamentarem naqueles dias.
Orai para que não suceda a vossa fuga em tempo de inverno ou em dia de Sábado.
Pois haverá nesse tempo angústia tão grande, como jamais houve desde o início do mundo até hoje, e jamais haverá.
Se aqueles dias não fossem abreviados, criatura alguma escaparia; mas por causa dos escolhidos, aqueles dias serão abreviados.
Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui ou ali, não lhe deis crédito,
porque surgirão falsos cristos e falsos profetas e farão tão grandes sinais e prodígios, que, se possível fora, enganariam até os escolhidos.
Eis que eu vo-lo predisse.
Portanto, se vos disserem: Eis que ele está no deserto, não saiais; ou: Eis que ele está no interior da casa, não acrediteis.
Porque, assim como o relâmpago sai do Oriente e se mostra ao Ocidente, assim será também a vinda do Filho do Homem.
Pois onde estiver o cadáver, aí se ajuntarão as águias.
E logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências do céu serão abaladas.
E então aparecerá o sinal do Filho do Homem no céu. E então todos os povos da Terra chorarão; e verão o Filho do Homem chegar sobre as nuvens do céu com grande poder e majestade.
E enviará os seus anjos com trombetas e grande voz, para ajuntar os seus eleitos, dos quatro ventos, do mais alto dos céus até os seus confins.
Aprendei, pois, esta parábola da figueira: quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão.
Igualmente, quando virdes todas essas coisas, sabei que ele está próximo, às portas.
Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas aconteçam.
O céu e a Terra passarão, mas as Minhas Palavras não hão de passar.

(Mateus 24:15-35)


E estando Pedro, embaixo, no pátio, chegou uma das criadas do sumo sacerdote.
Ela fixou os olhos em Pedro, que se aquecia, e disse: “Também tu estavas com Jesus de Nazaré.”
Ele negou: “Não sei, nem compreendo o que dizes.” E saiu para a entrada do pátio e o galo cantou.
E a criada, vendo-o outra vez, começou a dizer aos que ali estavam: “Este é um dos tais.”
Mas ele negou outra vez. E, pouco depois, os que ali estavam disseram outra vez a Pedro: “Verdadeiramente, tu és um deles, porque és também Galileu.”
Ele começou a fazer imprecações e a jurar: “Não conheço esse homem de quem falais.”
Imediatamente cantou o galo segunda vez. Pedro recordou-se da Palavra que Jesus lhe tinha dito: “Antes que o galo cante duas vezes, me negarás três vezes.” E começou a chorar.

(Marcos 14:66-72)


Logo pela manhã, os grandes sacerdotes se reuniram em conselho com os anciãos e escribas, e com todo o Sinédrio, e, amarrando Jesus, o conduziram a Pilatos.
E Pilatos, lhe perguntou: “Tu és o Rei dos Judeus?” E ele, respondendo, lhe disse: “Tu o dizes.”
E os grandes sacerdotes o acusavam de muitas coisas.
Então Pilatos tornou a interrogá-lo: “Não respondes nada? Ouve de quanta coisa te acusam!”
Jesus porém nada mais lhe respondeu, a ponto de Pilatos ficar admirado.
Ora, por ocasião da Festa da Páscoa costumava ele por em liberdade um dos presos, aquele que pedissem.
Havia um, de nome Barrabás, preso com os amotinadores, o qual, num motim, havia cometido um homicídio.
E como o povo acorresse e começasse a pedir-lhe a graça que ele sempre lhes fazia,
Pilatos indagou: “Quereis que vos solte o Rei dos Judeus?”
Pois percebia que os grandes sacerdotes o haviam entregue a ele por inveja.
Mas, os grandes sacerdotes incitavam a turba a pedir que era melhor soltar-lhes Barrabás.
Tomando novamente a palavra, disse-lhes Pilatos: “O que quereis então que eu faça com aquele que vós chamais Rei dos Judeus?”
E eles tornaram a clamar: “Crucifica-o.”
Pilatos replicou: “Mas que mal fez ele?” Eles clamavam mais ainda: “Crucifica-o.”

(Marcos 15:1-14)


Isto diz o Senhor: “Que injustiça encontraram em mim vossos pais, para que de mim se afastassem correndo após o que é nada, e tornando-se a si mesmos vãos?”

(Jeremias 2:5)


... e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

(Apocalipse 19:13b)


Então, Pilatos, querendo satisfazer a multidão, soltou-lhes Barrabás, e, açoitado Jesus, o entregou para que fosse crucificado.
E os soldados o levaram para dentro do palácio, à sala da audiência, e convocaram toda a coorte,
e o vestiram de púrpura, e, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram na cabeça.
E começaram a saudá-lo, dizendo: “Salve, Rei dos Judeus!”
Batiam-lhe na cabeça com uma vara, cuspiam-lhe e, dobrando os joelhos, prostravam-se diante dele.
E, havendo-o escarnecido, despiram-lhe a púrpura, e o vestiram com suas próprias vestes, e o levaram para fora, a fim de o crucificarem.

(Marcos 15:15-20)


Ele foi oprimido, mas não abriu a boca; como um cordeiro, foi levado ao matadouro e, como a ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca.

(Isaías 53:7)


Se alguém te forçar a dar mil passos, vai com ele mais dois mil.

(Mateus 5:41) Jesus


E constrangeram um certo Simão cireneu, pai de Alexandre e de Rufo, que por ali passava, vindo do campo, a que levasse a cruz.

(Marcos 15:21)



Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse >>
Menu
Menu Principal
<< O Castigo é Inevitável

^