O OUTRO DISCÍPULO


  • Jesus roga pelos discípulos
  • A verdade de Jesus
  • Pedro e outro discípulo seguem Jesus
  • A Palavra de Deus na cruz
  • Idolatria - a cruz de Jesus, a cruz da Palavra de Deus
  • Pedro o apóstolo que Jesus amava junto de Maria
  • Os dois discípulos no sepulcro



Jesus falou essas coisas e, levantando os olhos ao céu, disse: "Pai, é chegada a hora; glorifica a teu Filho, para que também o teu Filho te glorifique a ti,
pois que lhe deste poder sobre toda a criatura, para que dê a vida eterna a todos os que lhe confiaste.
E a vida eterna consiste nisto: Que te conheçam a ti, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
Eu glorifiquei-te na Terra, tendo consumado a obra que me deste a fazer.
Agora, glorifica-me tu, ó Pai, junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti, antes que o mundo existisse.
Manifestei o Teu Nome aos homens que me deste, tirando-os do mundo. Eram teus, e tu os deste a mim, e eles guardaram a Tua Palavra.
Agora eles reconheceram que todas as coisas que me deste procedem de ti.
Porque lhes transmiti as Palavras que tu me confiaste e eles as receberam e reconheceram verdadeiramente que saí de ti, e creram que tu me enviaste.
É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo mas por aqueles que me deste, porque são teus;
tudo o que é meu, é teu, e tudo o que é teu, a mim pertence, e neles fui eu glorificado.
E eu já não estou no mundo; eles, porém, estão no mundo, e eu torno para ti. Pai santo, conserva em Teu Nome aqueles que me deste, para que sejam um como nós.
Enquanto eu estava com eles, eu os guardava em Teu Nome, que me incumbiste de fazer conhecido. Conservei os que me deste, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que cumprisse a Escritura.
E agora torno para ti, e digo estas coisas no mundo, para que eles tenham em si mesmos a plenitude da minha alegria.
Eu lhes dei a Tua Palavra, e o mundo os odiou, porque não são do mundo assim como também eu não sou do mundo.
Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.
Eles não são do mundo, como também eu não sou do mundo.
Santifica-os na verdade; a Tua Palavra é a verdade.
Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.
Não rogo por eles somente, mas ainda por aqueles que, mediante a palavra deles, hão de acreditar em mim,
para que sejam todos um, como tu, Pai, o és em mim, e eu em ti, para que também eles sejam um em nós, a fim de que o mundo creia que tu me enviaste.
Eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que sejam um, como também nós somos um.
Eu neles, e tu em mim, para que cheguem à unidade perfeita, e o mundo reconheça que me enviaste e os amaste, como amaste a mim.
Pai, quero que, onde eu estou, estejam também comigo aqueles que me deste, para que contemplem a minha glória, a glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo.
Pai justo, se o mundo não te conheceu, eu te conheci, e estes conheceram que tu me enviaste.
Eu lhes fiz conhecer o Teu Nome e lho farei conhecer mais, para que o amor com que me tens amado esteja neles, e eu neles esteja."

(João 17)


Tendo Jesus dito isso, saiu com os seus discípulos para trás do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto, no qual ele entrou com os seus discípulos.
Mas também Judas, que o estava traindo, conhecia tal lugar, porque Jesus aí se dirigia frequentemente em companhia de seus discípulos.
Então Judas, conduzindo a coorte e os guardas fornecidos pelos príncipes dos sacerdotes e pelos fariseus foi até lá com lanternas, archotes e armas.
Jesus, que sabia tudo o que estava para lhe acontecer, adiantou-se, e disse-lhes: “A quem buscais?”
Responderam-lhe: “A Jesus de Nazaré.” Disse-lhes Jesus: “Sou eu", Judas que o entregava, estava também com eles.
Quando, pois, lhes disse: “Sou eu,” recuaram e caíram por terra.
Perguntou-lhes, novamente: “A quem buscais?" Eles disseram: “A Jesus de Nazaré.”
Disse-lhes Jesus: “Já vos disse que sou eu; se a mim, pois, é que buscais, deixai ir estes.”
Para se cumprir a Palavra que ele mesmo dissera: "Daqueles que me deste, não perdi nenhum."
Então Simão Pedro, que tinha espada, desembainhou-a e feriu o servo do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. E o nome do servo era Malco.
Mas Jesus disse a Pedro: “Mete a tua espada na bainha; não beberei eu o cálice que o Pai me deu?”

(João 18:1-11)


Porque eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

(João 6:38)


"Eis aqui o meu servo que eu escolhi; o meu amado em quem muito se compraz a minha alma. Derramarei sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará aos povos a justiça.
Não contenderá, nem clamará, nem ouvirá alguém a sua voz nas praças,
não quebrará a cana rachada, nem apagará a mecha que fumega, até que faça triunfar a justiça.
E no Seu Nome hão de esperar as nações!"

(Mateus 12:18-21)


... e tinha um Nome escrito que ninguém sabia, senão ele mesmo.
E estava vestido de uma veste salpicada de sangue, e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

(Apocalipse 19:12b-13)


Então a coorte, o tribuno e os guardas dos judeus apoderaram-se de Jesus e o amarraram,
primeiramente levaram-no à casa de Anás, por ser sogro de Caifás, que era o pontífice daquele ano.
Tinha sido Caifás quem dera este conselho aos judeus: “É preferível que morra um só homem pelo povo.”
Simão Pedro e outro discípulo seguiam a Jesus...

(João 18:12-15a)


Porventura andarão dois homens juntos, sem que estejam de acordo?

(Amós 3:3)


Simão Pedro e outro discípulo seguiam Jesus. Este discípulo era conhecido do pontífice e entrou com Jesus no pátio do pontífice.
Pedro, porém, ficou do lado de fora, junto à porta. Então saiu aquele discípulo conhecido do sumo sacerdote, falou com a porteira, e fez entrar Pedro.
A porteira perguntou a Pedro: "Não és acaso também tu dos discípulos desse homem?" - "Não o sou," respondeu ele.
Os servos e os guardas estavam ao fogo, porque estava frio, e aqueciam-se; Pedro estava também entre eles, de pé, e aquecia-se.
Entretanto o pontífice interrogou Jesus sobre os seus discípulos e sobre a sua doutrina.
Respondeu-lhe Jesus: “Eu falei publicamente ao mundo: Eu sempre ensinei na sinagoga e no Templo, onde concorrem todos os judeus, e nada disse em segredo.
Por que me fazes tu perguntas? Faze-as àqueles que ouviram o que eu lhes disse; ei-los aí estão e sabem o que eu ensinei.”
Tendo dito isto, um dos guardas, que estavam presentes, deu uma bofetada em Jesus, dizendo: “Assim respondes ao pontífice?”
Jesus respondeu-lhe: “Se falei mal, mostra onde está o mal; mas se falei bem por que me bates?”
Então, Anás mandou-o, preso, ao sumo sacerdote Caifás.
Entretanto, Simão Pedro estava ali se aquecendo. Disseram-lhe então: “Não és também tu um dos seus discípulos?” E ele negou e disse: “Não sou.”
Disse-lhe um dos servos do pontífice, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha: “Não te vi eu com ele no horto?”
Pedro negou outra vez, e nesse momento um galo cantou.
Depois, levaram Jesus da casa de Caifás para a audiência. E era pela manhã cedo. E não entraram na audiência, para não se contaminarem e poderem comer a Páscoa.
Pilatos então, saiu para fora e disse-lhes: "Que acusação apresentais contra este homem?"
Disseram-lhe em resposta: "Se ele não fosse malfeitor, não o entregaríamos a ti."
Disse-lhes, pois, Pilatos: "Levai-o vós e julgai-o segundo a vossa Lei." Disseram-lhe, então, os judeus: "A nós não nos é lícito matar pessoa alguma."
Para se cumprir a palavra que Jesus dissera, significando de que morte havia de morrer.
Tornou, pois, a entrar Pilatos na audiência, e chamou a Jesus, e disse-lhe: "Tu és o rei dos judeus?"
Respondeu Jesus: "Tu dizes isso de ti mesmo, ou foram outros que to disseram de mim?"
Pilatos respondeu: "Porventura sou eu judeu? A tua nação e os sumo sacerdotes é que te entregaram a mim: Que fizeste?"
Respondeu Jesus: "O meu Reino não é deste mundo; se o meu Reino fosse deste mundo, lutariam os meus servos, para que eu não fosse entregue aos judeus; mas, agora, o meu Reino não é daqui."
Disse-lhe Pilatos: "Logo tu és rei?" Jesus retorquiu: "Tu o dizes! Eu sou Rei! Para isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade ouve a minha voz."
Disse-lhe Pilatos: "Que é a verdade?"...

(João 18:15-38a)


Disse-lhes Jesus: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida...

(João 14:6a)


... e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

(Apocalipse 19:13b)


... E, dizendo isso, voltou até os judeus e disse-lhes: "Não acho nele crime algum.
Ora é costume que eu, pela Páscoa, vos solte um prisioneiro; quereis, pois, que vos solte o rei dos judeus?"
Então, todos voltaram a gritar, dizendo: "Este não, mas Barrabás!" E Barrabás era um salteador.

(João 18:38b-40)


Os ídolos dos pagãos não passam de prata e ouro; são obras de mãos humanas.

(Salmos (134)135:15)


Então Pilatos mandou que levassem Jesus e o açoitassem.
E os soldados, tecendo uma coroa de espinhos, lha puseram sobre a cabeça e lhe vestiram uma veste de púrpura.
E diziam: "Salve, rei dos judeus!" E davam-lhe bofetadas.
Então, Pilatos saiu outra vez fora e disse-lhes: "Eis aqui vo-lo trago fora, para que saibais que não acho nele crime algum."
Saiu, pois, Jesus, levando a coroa de espinhos e a veste de púrpura. E Disse-lhes Pilatos: "Eis aqui o homem."
Então os príncipes dos sacerdotes e os ministros, tendo-o visto, gritaram, dizendo: "Crucifica-o, crucifica-o!" Disse-lhes Pilatos: "Tomai-o vós e crucificai-o, porque eu não encontro nele crime algum."
Responderam-lhe os judeus: "Nós temos uma lei, e segundo essa lei ele deve morrer, porque se declarou Filho de Deus."
E Pilatos, quando ouviu essa palavra, mais atemorizado ficou.
E entrou outra vez na audiência e disse a Jesus: "De onde és tu?" Mas Jesus não lhe deu resposta.
Pilatos então lhe disse: "Tu não me respondes? Não sabes que tenho poder para te soltar e para te crucificar?"
Respondeu Jesus: "Tu não terias poder algum sobre mim, se te não fosse dado do alto. Por isso o que me entregou a ti tem maior pecado."

(João 19:1-11)


Submetam-se todos às autoridades constituídas, pois não há autoridade que não venha de Deus, e as que existem foram instituídas por Deus.
Quem se opõe à autoridade, se opõe à ordem estabelecida por Deus. Aqueles que se opõem, atraem sobre si a condenação.
Na verdade, os que governam não devem ser temidos quando se faz o bem, mas quando se faz o mal. Queres viver sem medo da autoridade? Pratica o bem e terás a sua aprovação,
pois ela é um instrumento de Deus para o bem. Se, porém, fazes o mal, então teme, porque não é em vão que ela empunha a espada; portanto, é, de fato, um agente de Deus, justiceiro para castigo daquele que faz o mal.
Portanto, é necessário que lhe estejais sujeitos, não somente pelo castigo, mas também pela consciência.
É também por essa razão que pagais os impostos, pois os magistrados são ministros de Deus, quando exercem pontualmente esse ofício.
Pagai, pois, a todos o que lhes é devido: a quem tributo, o tributo; a quem imposto, o imposto; a quem temor, o temor; a quem honra, a honra.
A ninguém devais coisa alguma...

(Romanos 13:1-8a) Paulo


A partir de então, Pilatos procurava libertá-lo; mas os judeus gritavam: "Se o libertares, não és amigo de César; todo aquele que se faz rei é contra César."
Então Pilatos, ao ouvir tais palavras, levou Jesus para fora, e assentou-se no tribunal, no lugar denominado Litóstrotos, que em hebraico se diz Gábata.
Era a preparação da Páscoa e quase a hora sexta. Pilatos disse aos judeus: "Eis aqui o vosso Rei."
Mas eles gritaram: "À morte, à morte. Crucifica-o!" Pilatos retorquiu: "Hei de crucificar o vosso rei?" Os príncipes dos sacerdotes responderam: "Não temos outro rei senão a César!"

(João 19:12-15)


... "Pois dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus." E desta resposta ficaram admirados.

(Marcos 12:17b)


Então Pilatos o entregou a eles para que o crucificassem.
E, levando ele às costas, a sua cruz, saiu para o lugar chamado Calvário, que em hebraico se chama Gólgota,
onde o crucificaram, e, com ele, outros dois, um de cada lado, e Jesus no meio.
E Pilatos escreveu e colocou sobre a cruz uma inscrição, que dizia: “JESUS NAZARENO REI DOS JUDEUS.”
E muitos dos judeus leram esta inscrição, porque estava perto da cidade o lugar onde Jesus fora crucificado; e estava escrita em hebraico, em grego e em latim.
Por isso disseram a Pilatos os chefes dos sacerdotes dos judeus: “Não escrevas: O Rei dos Judeus. Mas, que ele disse: Eu sou o Rei dos Judeus.”
Respondeu Pilatos: “O que escrevi, escrevi.”
Os soldados, portanto, havendo crucificado Jesus, tomaram-lhe as vestes e as dividiram em quatro partes, uma parte para cada soldado, e também a túnica. Ora, sendo a túnica sem costuras, tecida de alto a baixo numa peça única,
disseram eles entre si: “Não a rasguemos! Tiremos sortes, para vermos de quem será!” Assim se cumpria a Escritura que diz: “Dividiram entre si as minhas vestes, e sobre a minha túnica tiraram sortes.” Os soldados, de fato, assim o fizeram.
E junto à cruz de Jesus estava sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena.
Então Jesus, ao ver sua mãe, e perto dela o discípulo que ele amava, disse à sua mãe:"Mulher, eis aí o teu filho!”
Depois disse ao discípulo: “Eis aí a tua mãe.” E, desta hora por diante, a levou o discípulo para sua
casa.

(João 19:16-27)


... onde estava colocada a imagem dos ciúmes, que provoca o ciúme de Deus.

(Ezequiel 8:3b)


E ao terceiro dia, fizeram-se umas Bodas em Caná da Galiléia; e estava ali a mãe de Jesus.
E foram também convidados Jesus e os seus discípulos para as Bodas.
E, faltando o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: “Não tem vinho.”
Disse-lhe Jesus: “Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.”

(João 2:1-4)


... e o nome pelo qual se chama é a Palavra de Deus.

(Apocalipse 19:13b)


Não se coloca tampouco vinho novo em odres velhos; do contrário, os odres se rompem, o vinho se derrama e os odres se perdem. Coloca-se, porém, o vinho novo em odres novos, e assim tanto um como outro se conservam.

(Mateus 9:17) Jesus


Em seguida, sabendo Jesus que tudo estava consumado para se cumprir a Escritura, disse: “Tenho sede.”
Estava ali um vaso cheio de vinagre. Embeberam uma esponja no vinagre, fixando-a a um ramo de hissopo, levaram-lhe à boca.
E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: “Está consumado.” E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

(João 19:28-30)


Nas tuas mãos entrego o meu espírito; remiste-me, Senhor Deus da verdade.
Detestais os que adoram ídolos vãos. Eu, porém, confio no Senhor.

(Salmos 30;6-7(31:5-6) Davi


Os judeus temeram que os corpos ficassem na cruz durante o Sábado, porque já era a Preparação e esse Sábado era particularmente solene. Rogaram a Pilatos que lhes quebrassem as pernas e fossem retirados.
Vieram pois os soldados, e quebraram as pernas ao primeiro, e ao outro que com ele fora crucificado.
Tendo vindo depois a Jesus, como viram que já estava morto, não lhe quebraram as pernas,
mas um dos soldados traspassou-lhe o lado com uma lança e imediatamente saiu sangue e água.

(João 19:31-34)


Houve alguma nação que trocasse os seus deuses, posto não serem deuses? Mas o meu povo trocou a sua glória por um ídolo.
Espantai-vos disto, ó céus, e horrorizai-vos! Ficai verdadeiramente desolados, diz o Senhor.
Porque o meu povo fez duas maldades: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram para si poços, poços rachados que não seguram a água.

(Jeremias 2:11-13)


Aquele que o viu é que o atesta, e o seu testemunho é verdadeiro; e sabe que diz a verdade, para que também vós acrediteis.
Porque isso aconteceu para que se cumprisse a Escritura, que diz: “Nenhum dos seus ossos será quebrado.”
E outra vez diz Escritura: “Verão aquele que traspassaram.”

(João 19:35-37)


Rios de água correm dos meus olhos, pois que os homens não guardam a tua Lei.

(Salmos (118)119:136)


No primeiro dia que se seguia ao Sábado, Maria Madalena foi ao sepulcro, de manhã cedo, quando ainda estava escuro. Viu a pedra removida do sepulcro.
Correu então e foi ter com Simão Pedro e o outro discípulo que Jesus amava, e lhes disse: “Tiraram do sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o colocaram.”
Saiu então Pedro com aquele outro discípulo, e foram ao sepulcro.
Os dois corriam juntos, e o outro discípulo correu mais depressa do que Pedro, e chegou primeiro ao sepulcro.
Tendo-se inclinado viu os lençóis postos no chão, mas não entrou.
Chegou, depois Simão Pedro, que o seguia, entrou no sepulcro, viu os lençóis postos no chão,
e o sudário que estivera sobre a cabeça de Jesus, o qual não estava com os lençóis, mas dobrado num lugar à parte.
Então entrou também o outro discípulo que tinha chegado primeiro ao sepulcro. Viu e creu.
Em verdade, ainda não haviam entendido a Escritura, segundo a qual Jesus devia ressuscitar dentre os mortos.
Voltaram, pois, outra vez os discípulos para sua casa.

(João 20:1-10)


... fizeram o que era mal aos meus olhos, diz o Senhor; puseram as suas abominações na casa que se chama pelo meu nome, para a contaminarem.

(Jeremias 7:30b)


... e o nome pelo qual se chama é a PALAVRA DE DEUS.

(Apocalipse 19:13b)



Jesus Purifica o Templo >>
Menu
Menu Principal
<< Tu és Pedro

^